terça-feira, 15 de setembro de 2015

O vinte de setembro está chegando & viva as Patacoadas Gauderias....





O vinte de setembro está chegando
&
Viva as Patacoadas Gauderias....











Estamos perto do vinte de setembro... Vamos atacar os moinhos de vento... O Grupo RBS & assemelhados (Pampa, SBT, Bandeirantes, Recor, etc..) já começam a aderir a mais uma Patacoada do Governo Sartori & Marchezan, O Junior, com seus miquinhos amestrados do MBL... A Republica Riograndense se prepara para declarar independência... A tropa já está de prontidão... As manchetes dos principais "Tabloidãos" gaúchos estarão impregnadas de chavões, como por exemplo:


"Sirvam de modelo a toda terra nossas façanhas."

O Rio Grande estará pilchado para ocasião da Separação. Porém, a partir da emancipação, quem vamos culpar pelas mazelas administrativas riograndenses? A película, depois de rebobinada até o Governo Britto, está pronta para rodar o filme das privatizações, das demissões "voluntarias", dos pedágios, da recompensa aos grande grupos de mídias, das consultorias terceirizadas bilionárias/privadas,  devido a extinções da FEEE, BRDE, CEEE, Sulgás, CRM, Fundação Zooobotânica, CIENTEC, Banrisul...etc... Preparem-se para uma massiva propaganda com o objetivo de uma futura reeleição do governo elitista Sartoriano ou outro que dê continuidade aos desígnios do poder econômico... A manipulação da imprensa gauderia, que está sempre a favor do poder das elites e dos seus próprios interesses, é capaz de produzir vergonha em qualquer calouro de jornalismo. Bem, se para a maioria do povo gaúcho ser politizado é votar em senadores do Grupo RBS, ser politizado é acreditar diariamente na Mídia Hipócrita do RGS, ser politizado é culpar terceiros, ser politizado é votar em Marchezan e Sartori - O mesmo que no governo Britto também negociou e assinou a dívida redentora, agora contestada, então, o rio grande está perdido, mas o vinte de setembro está chegando & viva as Patacoadas Gauderias.... & mais cinquenta anos de atraso e entreguismo...










O Grupo RBS aposta todas suas fichas no mito da revolução farroupilha. Deste modo, certamente, a "República" do Pampa continuará alienada. A capital gaucha, Porto Alegre, é um descalabro, mas a mídia exalta o acampamento farroupilha situado nas margens das podres águas do guaíba, aonde facas, barro, danças, bostas de cavalos, bombachas, ampla oferta de lipídios na brasa, patacoadas e fumaça existem em "harmonia". O vinte de setembro está chegando & viva as Patacoadas Gauderias.... O prefeito da capital pampiana vive nas nuvens, tocando o paraíso das elites. Está preocupado em gastar R$ 70 milhões de reais em 1,5 km na orla do "lago", enquanto milhares de pessoas da periferia vivem com esgoto a céu aberto. Também, está preocupado com o entorno dos estádios de futebol, erguidos isentos de impostos. A população de menos renda é empurrada cada vez mais para os rincões sem estrutura, enquanto espigões pipocam estimulados pela especulação imobiliária.  O gaúcho politizado e orgulhoso segue sua sina de ser governado pela mídia representante do poder econômico. Vinte de Setembro é a data onde milhares de negros foram mortos traiçoeiramente. É uma historia de traição e saques: 



"O único ponto controverso da paz firmada entre Caxias e farroupilhas, a liberdade dos escravos que lutaram com os rebeldes, foi resolvido de forma pragmática e cruel: o batalhão dos chamados Lanceiros Negros, desarmado por seu comandante, Davi Canabarro, foi massacrado em novembro de 1844, em Porongos." (Eduardo Bueno, História do Brasil, 1997.)

Apesar das promessas, em nenhum momento a República Rio-Grandense libertou seus escravos. A questão da abolição era controversa entre seus líderes. Ao mesmo tempo em que o governo rebelde prometia liberdade aos escravos engajados e condenava a continuidade do tráfico de escravos, seu jornal oficial, O Povo, estampava anúncios de fugas de cativos. Houve uma tentativa de abolição por meio de projeto apresentado na Assembleia Constituinte de 1842 por José Mariano de Mattos (1801-1866), que foi recusado. Anos após o fim do conflito, vários líderes farroupilhas ainda tinham escravos, como Bento Gonçalves (1788-1847), que morreu deixando 53 cativos para seus herdeiros.( R
evistadehistoria.com.br)



1) Antes dos imperiais derrotarem os farroupilhas não existia nenhuma escola no Rio Grande do Sul.



2) O Rio Grande do Sul tem mais terreiros do que CTGs e Igrejas, mas os Grupos de Mídia só falam em cultura italiana & alemã.