sábado, 14 de dezembro de 2013

Degola Cybernética



MARAGATOS.COM 

CONTRA

@CHIMANGOS






A MODERNIZAÇÃO DOS PAMPAS





Propomos uma evolução nos duros embates travados no Rio Grande do Sul entre Federalistas & Republicanos, Chimangos & Maragatos e atualmente entre Petistas e Anti-Petistas. Temos só um intuito: estancar o sangue dos nossos irmãos gaudérios.  Não queremos pacificar o espirito Impetuoso e Brioso tão bem demonstrado pelos "Historiadores" e "Escritores" "Imparciais" do pago mais sulino do brasil. Pelo contrário, queremos intensificar esta guerra, preservar que cada um tenha direito de puxar brasa pro seu assado e eliminar o concorrente. Então o que Propomos?

- Well, temos em mente a modernização do Rio Grande do Sul sem perder seu espirito, sua tradição de Pátria Guerreira. Tentaremos especificar logicamente as mudanças necessárias  para alcançar o tão esperado pulo do gato de qualidade e desenvolvimento almejados pelos Xirus do Extremo Sul.  Abaixo a proposta: 






1) Retirar a batalha dos longos campos pampeanos, das querências mais baguais, dos faxinais mais xucros e transferi-la para a WEB. Em vez de passar a faca na goela do adversário, vamos simplesmente deletá-lo, em vez de invadir o território do oponente,  vamos hackear o maragato ou o chimango, dependerá o lado que você estiver. Não vamos derramar nem mais uma gota de sangue e muito menos contrabandear nas fronteiras, apenas iremos espalhar vírus, spans, cavalos de tróia  e piratear na nossa própria tertúlia. 







2) Recomendamos a Substituição das Armas... Que cada Lança Farroupilha, que cada Adaga Prateada, que Cada Facão Três Listras sejam substituídos por Notebooks, por Desktops, por  Ipads. Para que os Tradicionalistas não se sintam descaraterizados vamos exigir destas empresas de Fundo de Quintal, como a Tal da Apple Computers, a tal da Dell Computers,  a tal da Hewlett-Packard‎ e a tal da Samsung só entrem nas Terras Pampeanas com os lombos  pintados com as cores da Pátria Farroupilha: Vermelho, Amarelo e Verde.






3) Aconselhamos uma atualização no vocabulário dos índios baguais:

a) Degolar - por Deletar.

b) Invadir - por Hackear. 

c) Mito Farroupilha - por Fake Farro.

d) Picasso - por Browser.

e) Manga Larga - por Banda Larga.

d) Bento Gonçalves - por Bill Gates.

e) C.T.G. - por Chat.

f) Capataz - por Webmaster.

E assim vai...






4) Comunicação Social e Encontros Culturais -  Substituiríamos o ENART (Encontro de Arte e Tradição Gaucha) - in loco - por uma conferência virtual, com isso poderíamos realizar mais frequentemente os eventos e com menor custo. Os C.T.Gs poderiam ser transformados em salas de bate-papo e com auxilio de uma WebCam assistiríamos cada vivente com sua pilcha tradicional,  junto com a Prenda, dançar ou praticar a chula sem qualquer prejuízo para a cultura pampeana, para nosso orgulhoso folclore, tendo a vantagem de estarmos em todo mundo ao mesmo tempo - online. 








5) Games Gaudérios - Vamos transformar a rinha de galos e as cavalgadas que maltratam os animais em jogos de computadores, com isso ganharemos pontos com o movimento em prol animais e ao mesmo tempo diminuir os custos de tais eventos. Igualmente o jogo do osso e as corridas em canchas retas serão adaptados as telas dos aparelhos tecnológicos. Não podemos esquecer os jogos dos rodeios. Os acepipes saboreados nestes eventos propomos que sejam confeccionados pelos almofadinhas da tal Mac Donald's, pois enquanto o taura estiver gineteando pelos games gaudérios, poderá solicitar uma tele-entrega ou até mesmo correr até a esquina e saborear um delicioso espetinho de gato.  






CONCLUSÃO:


    
Vamos lá Gaudérios cibernéticos: Maragatos.com & @Chimangos... Preparem os dossiês do inimigo. Elaborem perfis Fakes, joguem na rede os vírus, os spans. Pirateiem o maior número de materiais a seu favor ou contra o concorrente. Deletem um maragato ou chimango por dia, conforme sua posição política. E com este elenco de medidas estaremos  evitando derramar sangue pelo Pampa... A Sorte esta jogada, as eleições de 2014 se aproximam, vamos lá Modernize-se Já...

Modernizar é Preservar....









sábado, 31 de agosto de 2013

A Nova Estratégia de Dominação: O RGS do SIM & o Pacote do Governo Sartori



O RIO GRANDE DO "SIM"...





“Precisamos superar a cultura do conflito, deixar de ser a terra do não dá, não pode e agora não. O mundo atual exige velocidade e capacidade de articulação” - Frase que sintetiza a nova estratégia de dominação no Rio Grande do Sul.





Sabemos o poder que o capitalismo tem em  se transformar, cedendo algumas migalhas às camadas das populações necessitadas para logo mais adiante as retirar. Quando governos baixam juros possibilitando um maior consumo aliado ao controle da inflação, os rentistas pressionam seus mecanismos financeiros e de poder econômicos-políticos para aumentar seus rendimentos. Simplesmente se aliam aos Grandes Grupos de Mídia e geram especulações e fabricam informações para gerar o aumento da inflação e com isso obrigam administrações públicas a elevarem as taxas de suas rendas. Está é a faceta visível, a que se mostra no cotidiano, mas não a mais cruel das elites que dirigem o poder econômico e consequentemente a política e os governos nas três esferas do Brasil e no Mundo. O Rio Grande do Sul não foge a regra, porém na terra austral do Gigante Adormecido, temos o viés do monopólio da informação e do mito farroupilha - responsáveis pela alienação e a passividade de grande parte  da população. Podemos sintetizar o relatado  nos versos do hino do estado do Rio Grande do Sul, com o seguinte verso que exalta a o Mito da "Superioridade" Gaucha: 

"Sirvam nossas façanhas de modelos a toda terra".





Durante anos nas terras pampeanas foi difundida a cultura do bem e do mal, da grenalização, dos chimangos e maragatos de acordo com a oportunidade que o estamento do poder econômico demandava para se manter com as rédeas da exploração e a submissão da população. Foram criadas ideologias para perpetuar a cabresto o eleitor. Impérios midiáticos se construíram pregando a voz do poder. Governos populares foram bombardeados pelos grupos de comunicação, homens de esquerda foram pisoteados por campanhas difamatórias, estampadas nos Tabloidãos Gaúchos, simplesmente, por terem desafiado a lógica do capitalismo selvagem,  temperado com o feudalismo dos estancieiros no tempo dos "Heróis" Farroupilhas, dos latifundiários em grande parte do século XX e  transformados em empresários do agronegócio nos tempos atuais.




Esgotada a estratégia ideológica da dicotomia do bem e do mal, devido ao amplo acesso a informação por meio da Internet nas Redes Sociais, na Blogosfera, nos meios alternativos de mídias que se multiplicam  e poem em  xeque o aparelho corporativo de comunicações, que difundem os interesses do poder econômico e realizam a  alienação da população. Eis, que agora, surge uma nova Estratégia de Dominação,  denominada o Rio Grande do "SIM". Aparece no ano das grandes manifestações de ruas pelo RGS e Brasil - em que a Mídia Tradicional é contestada,  Políticos Tradicionais são execrados, que Formadores de Opiniões comprometidos com os interesses ocultos das elites em seus comentários são veemente rechaçados e principalmente num ano Pré-Eleitoral. Os ideólogos do poder farejaram o perigo da população gerar suas próprias informações, de manter seu próprio dialogo politico - sem intermediários,  descobrindo que os objetivos para um bem comum e uma justiça social que se aproxime da equanimidade - não passa pelos veículos tradicionais... Por isso capciosamente lançaram a campanha do Rio Grande do "SIM":



a) O Sim de manter a mesma escol no poder;



b) O Sim de abafar as contestações legitimas que brotam dos meios democráticos da Internet;



c) O Sim de possibilitar que Formadores de Opiniões, Políticos Tradicionais consigam se (re)eleger e com isso defenderem a velha ideologia de dominação lupina travestida com seu velocino de ouro;


d) O Sim do Monopólio, da Manipulação da Informação;


e) O  Sim do encarceramento do negro, do pobre, dos que contestam as injustiças;



f) O Sim do dinheiro publico sendo jogado na Arena e no Beira-rio para que depois políticos ouçam o Sim nas urnas;



g) O sim às remoções das populações carentes de áreas que interessam a especulação imobiliária;



h) O Sim aos impostos da periferia sendo aplicados em obras de zonas nobres na capital gaucha...







NÃO


Porém a este Sim que quer transformar o Rio Grande do Sul numa geleia geral, tendo a única intenção de manter o velho Status Quo, elaborando embalagem nova para  mascarar o velho conteúdo de dominação, encomendado aos veículos de propaganda e divulgado pelos grupos submissos de comunicação, expondo nas  gondolas do Shopping, nas prateleiras do mercadinho de vila seu produto para que a alienação permaneça ad eternum, porém, efetivamente,  ouviram um tonitroante NÃO das vozes independentes....


#FORASARTORI







domingo, 17 de março de 2013

O Mito do Mampituba Ético






Existe uma terra no extremo austral do Brasil chamada Rio Grande do Sul.

Nestes pagos é cultivado o mito que  é simbolizado pelos seguintes bordões:


a) Nos somos os melhores.

b) Nos somos diferentes.

c) Esta terra tem dono.

d) O gaúcho é um povo serio.

e) Nós somos um povo ético e moral.



Assim como Nietzsche demoliu a marteladas o racionalismo de Hegel, pretendo destruir o Sonho Dogmático do Mampituba Ético. Acordando o povo rio grandense com pesadelos de realidade:




                            I) Da Crítica Corporativa:







Se a crítica fosse crítica e não fosse ideologizada e estabelecesse uma posição independente - das relações  de familiaridade ou de subordinação ao Status Quo - os rio grandenses já teriam acordado do sonho dogmático. O que a Mídia Corporativa Tradicional Gaucha chama de Liberdade de Expressão pode ser traduzida por ditado controlado do patrão e do poder econômico. As relações de  amizades dos profissionais com o círculo do poder e seus apaniguados gera uma distorção hercúlea entre os fatos e o que a sumidade dos generalistas noticiam ou opinam.

Um dos cultuadores mito do Mampituba Ético é um Senador Pampeano que vive  o eterno Sonho, enquanto seus  conterrâneos dividem o butim. O Sêneca dos Pampas é um Torquemada quando atravessa o Mampituba (Rubicão dos Gaúchos), levanta seu dedo acusatório e cospe denuncias como uma metralhadora giratória, mas basta pisar na margem sulina do Rubicão para se sentir um Serafim entre seus pares de Querubins.

O Núcleo duro do Sonho Metafísico Ético é prestigiado pelos  midiáticos corporativos, entretanto  embaixo dos narizes dos escrevinhadores  se compram votos, futebol e política são misturados de forma indecente, fraudes são cometidas nos órgãos públicos, clientelismo e voto a cabresto se multiplicam; mas se os celerados que cometem estes delitos são da turma, não tem problema, eles tem olhos de mercadores. Agora, se alguém da esquerda ou que não for de suas relações ou do Status Quo, ousar cometer qualquer delito, que se preparem, pois as toneladas das leis e o impacto das manchetes dos Tabloidãos Gaúchos irão exercer um auto-de-fé.

Jornalistas dos principais Grupos Corporativos da pátria mampitubense chegam a ser folclóricos, só tem olhos para ver fraudes, crimes, desvios do dinheiro público quando se dão ou são denunciados por seus colegas da margem norte do Rubicão. Contudo, se houver qualquer suspeita sobre algum conterrâneo que eles tenham algum desafeto, ou seja, fora dos círculos do poder tradicional, o pobre vivente que se prepare pois será julgado pelos parciais profissionais da imprensa riograndense por meio de seus veículos. Uma inquisição será iniciada e muitos serão queimados por fogueiras acendidas com o fogo dos interesses econômicos e do combustível ideológico.





                                  II) Do Mito Farroupilha:







No povo simples do interior e da capital foi impregnado a farsa do Mito do Gaúcho e da Revolução Farroupilha, que segundo os documentos e vários historiadores foi uma falácia de estancieiros escravistas, que além de perderem a guerra traíram os seus escravos aos quais haviam prometido liberdade, alforria caso lutassem ao seu lado, mas  entregaram suas cabeças em bandejas às tropas federais.

Há uma industria midiática e política que se beneficia deste mito. Aproveitam-se da ingenuidade da população mais pueril e aliam consumo com cabresto politico. Nesta parcela populacional enchem os cérebros de alienação com os bordões em tela, que nem os pastores das igrejas evangélicas quadrangulares conseguem impor em suas ovelhas tamanha coisificação. Se Karl Marx fosse nosso conterrâneo e coetâneo diria: "O mito do Gaúcho é o ópio do povo rio grandense".

Interessante coincidência entre o primórdio da decadência do PIB gaúcho e a criação do Mito Farroupilha. Não só economicamente, mas também no nível de Educação, de Politização, do surgimento de Figuras de Expressão Nacional.

Nas décadas de 40/50 foi iniciada a construção, a fabricação  simbólica da epopeia da revolução farroupilha, nesta época o Rio Grande do Sul era a segunda economia do Brasil, era chamado o celeiro do país. Coincidentemente, a partir desta data o Pampa começou a decair e mais acentuadamente quando os imigrantes italianos, alemães, poloneses e outros aderiram a esta pseudo-cultura.





  III) Decadência causada pelo excesso de lipídios nos neurônios:





 
Há estudos que comprovam que uma das principais causas da decadência do Império Romano foi a contaminação dos cérebros de sua população com estanho e chumbo; consequência do costume de tomar vinho em taças deste material que em contato com a alcalinidade do vinho se misturava  a bebida e se acumulava nos neurônios, mais acentuadamente na classe dirigente.

Há um paralelo com o caso da decadência gaucha, pois, justamente , a partir do mito que os antepassados do pampa se alimentavam exclusivamente com carne - o costume fabricado foi inserido  e teve como corolário  o gaúcho se tornando um carnívoro.  O consumo de carne gorda, a exaltação do churrasco que inclusive é regulado por lei - festejada com pompa e circunstância na Casa Legislativa do povo - foi processado ao longo destes sessenta anos  de   farsa chamada Revolução Farroupilha. O resultado foi um acumulo de lipídios em torno dos neurônios e axionios, formando uma capa de gordura que impede a totalidade de conexões necessárias para um desenvolvimento do conhecimento, da educação, enfim, do pensar correto.

Os dados não mentem e mostram que não é só coincidência. Estudos científicos comprovam que o consumo exagerado de gorduras influi no raciocínio. O cérebro torna-se pouco dinâmico, há uma tendencia de evocar o passado, de voltar a primitividade do mito, do tabu, de privilégios - apontam pesquisas; basta pegar os dados econômicos, de educação, de inovação, de IDH, de criatividade, de surgimento de lideres e comprovar a decadência progressiva ao longo dos últimos sessenta anos...








SIGNIFICADO DA PALAVRA MAMPITUBA - Rio de muitos Bagres.